Storytelling digital: conteúdo que gera emoções e negoceia dados

4 Junho, 2018
Posted in Geral
4 Junho, 2018 ricardo

O storytelling digital que gera emoções e negoceia dados pessoais coloca as histórias da sua marca nas mãos de quem precisa delas. É o que transforma blogues em referência, confere o estatuto de excelência a websites e fideliza cliente. Comece pela empatia, continue com a utilidade, melhore com conhecimento analítico e otimize com amor. A sugestão é de Jonathon Colman, diretor de conteúdo do Facebook, e que subscrevemos.

Storytelling digital

O storytelling, no seu conceito mais lato e pré-apropriação pelo digital, é a arte de contar uma boa história. A definição torna-se mais dúbia quando procuramos as características de uma boa história.

– Simplicidade.

– Envolvimento.

– Utilidade.

– Confiança.

– Explica.

– Melhora.

As regras de ouro multiplicam-se. O mais difícil não foi, no entanto, referido. As marcas devem encontrar a sua própria arte. O storytelling faz-se de regras, hábito e indiferença. Isto significa que é necessário ser uma dose  própria de personalidade. Poderíamos chamar-lhe de carisma.

O objetivo nuclear storytelling digital é criar relações com os utilizadores de forma a gerar vendas e fidelizar clientes. Enquanto técnica de marketing, está presente em todos os canais digitais: email marketing, redes sociais, landing pages, websites, retargeting, SMS, ebooks, banners, entre outros.

“In an online world, our online words are our emissaries; they tell the world who we are” 

― Ann Handley, Everybody Writes: Your Go-To Guide to Creating Ridiculously Good Content

Storytelling digital - conteúdo que gera emoções e negoceia dados - digitalgreen - marketing digital

Guiar um pessoa pela narrativa pode ser um dos processos mais ambiciosos do storytelling. Será tanto o que maior prazer poderá provocar. Os benefícios do storytelling no ecossistema digital:

  • Melhora a relação com os clientes.
  • Constrói a identidade da marca.
  • Ajuda os consumidores a identificar a marca.
  • Atualiza a imagem da marca.
  • Adapta-se a todos os canais de comunicação.
  • Gera emoções.
  • Negoceia a cedência de dados pessoais.

Leia também: Marketing digital B2B: dê um pontapé de bicicleta nos resultados

Os erros mais comuns são:

  • Mensagens contraditórias.
  • Recurso a mentiras.
  • Tom de voz errado.
  • Expectativas goradas.
  • Forçar uma reação.

Deve incluir na sua estratégia de storytelling/ marketing de conteúdo:

  • Os valores da empresa.
  • Emoção.
  • Verdade.
  • Os pontos fortes do produto ou serviço.
  • Ganchos ou âncoras.

As pessoas gostam de se sentir especiais. Invista em histórias que façam as pessoas sentir-se parte da marca. Todos desejam ser parte de alguma coisa. As marcas têm este potencial único de estabelecer ligações profundas entre os valores da empresa, as histórias que contam e os desejos dos leitores ou consumidores digitais.

Hoje já não se compra produtos. Os consumidores compram experiências. Ligue-se às pessoas através das emoções. Trabalhe o conteúdo.

O marketing de conteúdo no storytelling digital

Contar uma boa história exige conteúdo. Todavia, a comunicação da marca não se pode restringir a uma forma de conteúdo. O texto, o vídeo, a fotografia, as infografias e o áudio são apenas os sentidos disponíveis e que as marcas devem aprender a utilizar estrategicamente. Primeiro, não se esqueça de:

  • Compreender o seu público-alvo.
  • Criar personas.
  • Definir mensagens poderosas.
  • Construir uma narrativa emocional e emotiva.
  • Envolver as pessoas na história.
  • Recorrer a apelos à ação ou call-to-action (em inglês).
  • Trabalhar a personalidade da sua marca.
  • Ser criativo, ousado, interativo e visual.
  • Resolver conflitos.
  • Apostar no humor.
  • Não abdicar da diversão.

O storytelling enquanto competência negocial significa que expõe um conflito e encontra a solução no final da narrativa. Implica, ainda, que se troque conteúdo relevante por qualquer coisa, numa lógica win-win. No caso do marketing digital, falamos dos dados pessoais dos utilizadores e que permitirão depois desenhar novas estratégias de comunicação.

Para o conseguir, deve pensar nas competências negociais que fazem sentido para a marca. A palavra é um dos instrumentos mais poderosos da negociação. Simultaneamente, é a palavra que alimenta o storytelling. A relação umbilical é um ponto de partida excelente.

Leia também: Rapsódia boémia: o marketing digital em Portugal é uma criação poética?

“Your customers don’t buy your product to do your company a favor,” Eghbal said. “They’re doing it because your product makes their lives better. So if you want to sell something, you need to explain how you’re helping them.”

― Ann HandleyEverybody Writes: Your Go-To Guide to Creating Ridiculously Good Content

Mudanças provocadas pelo storytelling digital

  • Transforma histórias em ideias e experiências.
  • Gera ações: comentários, partilhas e exploração.
  • Trabalha a memória: quanto mais emocionalmente intenso mais fácil será de ser recordado.
  • Trabalha diversas áreas do cérebro, como o córtex sensorial, o córtex motor e o córtex frontal.

Tendências do storytelling digital

As pessoas têm menos paciência para promessas de vendas e espaços publicitários. Procuram narrativas e histórias. Precisam e privilegiam emoções. Os anúncios publicitários devem soar a histórias. Quais são as tendência do storytelling digital?

  • Storytelling focada em dados. Aproveitar o conhecimento analítico que o marketing digital gera para criar histórias visualmente intensas e que roubam a atenção é uma das tendências a considerar.
  • Anúncios em vídeo e de curta duração: seis segundos tem sido o tempo recomendado.
  • Proporcionar a oportunidade dos clientes contarem as suas histórias.
  • Storytelling filantrópico: a sua história deve trabalhar emoções como a empatia e o amor. Não se esqueça que as marcas são pessoas. E que os consumidores digitais são pessoas.
  • Storytelling imersivo: diz essencialmente respeito ao conceito de realidade virtual.
  • Dark social: diz respeito aos comportamentos em canais sociais que não podem ser rastreados com exata certeza dos dados. A utilização de aplicações de mensagens privadas é um exemplo crasso do crescimento deste fenómeno.

“Quality content means content that is packed with clear utility and is brimming with inspiration, and it has relentless empathy for the audience”

― Ann Handley, Everybody Writes: Your Go-To Guide to Creating Ridiculously Good Content

, , , , , , , , ,